Professor Edmo sugere entrega de repelente e mosquiteiros para grávidas

Notícias Comentários

IMG_8140

Preocupado com os casos de microcefalia que estão acontecendo no Estado e também em Vitória de Santo Antão, o professor Edmo Neves (PMN) sugeriu a Secretaria de Saúde do Município que adote três medidas emergenciais para evitar que haja o contato do mosquito Aedes Aegypti com mulheres grávidas.

“A recomendação é que a mulher grávida reponha o repelente a cada 2 horas ou conforme orientação do fabricante, desta forma, implica um aumento na despesa das mulheres que já tem uma oneração maior neste período de gestação e já estão bastante preocupadas com a doença. Por isso solicitamos que a Prefeitura proceda com a distribuição de repelentes para as mulheres que estejam sendo acompanhadas pelos médicos do município”, explicou o Professor Edmo.

Além do repelente, no requerimento n°861/2015, o vereador sugeriu que junto com o produto seja dado também um mosquiteiro para evitar que a noite elas precisem se acordar para repor o insetífugo. A sugestão vai de acordo com a orientação do Ministério da Saúde. Em entrevista coletiva a imprensa, o diretor do departamento de Vigilância de Doenças Transmissíveis do Ministério, Cláudio Maierovitch, explicou que “as marcas comerciais de repelentes disponíveis no mercado brasileiro podem ser usadas por gestantes”.

De acordo com dados divulgados esta semana pelo radialista Cristiano Bassan, no programa A Cidade em Ação, transmitido pela rádio Atual FM, em Vitória já foram notificados 26 casos de bebês que nasceram com microcefalia e estão sob investigação e 13 casos confirmados da má formação.

“A relação do zika vírus com a microcefalia em bebes de mulheres grávidas já foi comprovada e é inegável também que a transmissão da doença se dá pelo mosquito Aedes Aegypti. Já que existe uma notável deficiência no combate ao mosquito em nosso município é preciso medidas eficazes para proteger as mulheres grávidas do contato com esse inseto”, concluiu o vereador.

BOLETIM MINISTÉRIO DA SAÚDE – Até 5 de dezembro de 2015, foram registrados 1.761 casos suspeitos de microcefalia, em 422 municípios de 14 unidades da federação. As informações são do Informe Epidemiológico sobre Microcefalia, divulgado na terça-feira (08/12). Neste período, o estado de Pernambuco registrou o maior número de casos (804). Entre o total dos casos, foram notificadas 19 mortes, nenhuma em Pernambuco.