Moradores de vitória de Santo Antão reclamam de trecho antigo da BR-232

Notícias Comentários

DSC02381

O antigo trecho antigo da rodovia tem 10,7 quilômetros e começa com o nome de Avenida Henrique de Holanda, na Altura do Posto Santa Cristina e segue com essa denominação até as proximidades da fábrica da Pitú onde passa a se chamar Avenida Áurea Ferrer. A via termina ao se encontrar com a parte duplicada da “232” sentido Agreste..

 

Mas apesar de ter apenas pouco mais de 10 quilômetros, boa parte dela é densamente povoada passando por postos de combustíveis, pelo único shopping center da cidade, servindo de entrada a muitos bairros (Iraque, Redenção, Lídia Queiroz, Cajá, Matadouro, Matriz, Bela Vista, Oitero, Centro, Livramento, Alto José Leal, São Vicente de Paulo, Caiçara e a comunidade do Cajueiro, só pra citar os mais próximos) e é importante acesso aos dois principais centros federais de ensino instalados no município, o IFPE e a UFPE.

 

“Só nos dois primeiros anos de minha atuação como vereador e representante do povo de Vitória de Santo Antão apresentei 09 (nove) requerimentos solicitando diversas melhorias para as áreas margeadas pela antiga 232 e até mesmo para a recuperação da própria via, em si”, explica o Professor Edmo Neves.

 

Saindo da BR-232 duplicada temos três acessos ao município para quem segue nos dois sentidos (tanto Recife – Caruaru, quanto Caruaru – Recife) da rodovia. O Primeiro acesso (considerando quem vem do Recife) fica próximo a PE-50 e ao posto Santa Cristina. Falta um marco urbanístico que atraia o motorista/turista a conhecer a cidade. O que se vê são insistentes buracos e diversos outdoors, a maioria sem conservação.

 

O acesso seguinte é o da PE-45, passando pelo 21° BPM e pelo estádio Carneirão, o mesmo problema de sinalização, que se repete na altura de Dois Leões, o acesso mais usado para quem vem no sentido Agreste – Recife. “Na maioria das vezes, é a poluição visual que apresenta a chegada a Vitória de Santo Antão”, comenta o vereador.

 

Em todo o trecho urbano existem apenas cinco semáforos instalados, três deles para facilitar para os pedestres (próximo ao Shopping, entre o Hospital João Murilo e o Detran e entre a Avenida Mariana Amália e o Alto do Reservatório). A falta de passarela é uma queixa comum entre os alunos, professores e funcionários do Centro Acadêmico da UFPE em Vitória, entre eles Gleybson Correia, Raphael Moreno,

 

Outros como Luan Airton, Deyse Luna, Túlio Paulo reclamam que o semáforo de pedestres entre a Avenida Maria Amália e a ladeira de acesso ao CAV frequentemente apresenta problemas e dificulta a passagem das pessoas. “O sinal de pedestres não é respeitado e o tempo para as pessoas passarem é muito curto – só 7 segundos. Falta alguma proteção para ajudar a quem atravessa no cruzamento”, solicita Francisco Xavier dos Santos.

O morador Carlos Roberto Cavalcanti faz um apelo com relação as incontáveis lombadas instaladas ao longo da Henrique de Holanda e Áurea Ferrer: “É quase impossível ver estas lombadas na cidade, não tem sinalização nenhuma e podem causar um acidente”

 

“Esse corredor viário é o mais importante do nosso município, onde milhares de automóveis circulam diariamente. A via necessita de um projeto de urbanização em toda sua extensão, pois a carência da infraestrutura adequada proporciona perdas econômicas para os comerciantes de toda sua extensão”, explica o professor Edmo Neves.

 

Os buracos, a falta de acostamento e sinalização ao acesso dos bairros, problemas na iluminação fazem parte da rotina de quem usa a rodovia, que após a duplicação da rodovia, passou a ser administrada e fiscalizada pelo Departamento de Estadas de Rodagem de Pernambuco (DER/PE), ligado à Secretaria de Transportes do Governo do Estado.

 

Requerimento parlamentar nº149/2013 Semáforo de pedestres na Avenida Henrique de Holanda , antiga BR-232, nas imediações da entrada de acesso dos Bairros Loteamento Conceição Iraque e Iraque II.
Requerimento parlamentar nº151/2013 Projeto Urbanístico e viário para a entrada de acesso ao CAV-UFPE, localizado no Alto do Reservatório nas margens da Avenida Henrique de Holanda.
Requerimento parlamentar nº159/2013 Projeto na entrada do nosso município localizado na Rodovia Luiz Gonzaga BR 232
Requerimento parlamentar nº160/2013 Projeto viário interligando a Avenida Henrique de Holanda, antiga BR 232, com a Rodovia estadual PE-60.
Requerimento parlamentar nº174/2013 Recuperação asfáltica da Avenida Henrique de Holanda.
Requerimento Parlamentar nº220/2014 Elaboração de um Projeto de Instalação de Câmara de Monitoramento na entrada do CAV-UFPE (Alto do Reservatório) e também que se prolongue o tempo de passagem do semáforo de pedestres na via entre a Avenida Henrique de Holanda ao acesso do referido Centro Universitário.
Requerimento Parlamentar nº224/2014 Elaboração de um Projeto de Urbanização da extensão da Rodovia PE – 45, especificando do entroncamento viário entre Avenida Henrique de Holanda até o Viaduto sobre a Rodovia Luiz Gonzaga, BR – 232, o Bairro no Lídia Queiroz.
Requerimento Parlamentar nº223/2014 Elaboração de um Projeto de Urbanização de toda a extensão da Avenida Henrique de Holanda, especificando entre o Posto Santa Cristina até a Comunidade do Cajueiro.
Requerimento Parlamentar nº354/2014 Providências urgentes de serviços de obras e engenharia para reparação da via local que dá acesso ao bairro do Cajá à Avenida Henrique de Holanda, sentido Pombos/PE.